Share |

Escolas: mais e melhores locais para as crianças

A Câmara  Municipal de Lisboa é responsável pelas creches e escolas do 1º e 2º ciclos da cidade, tendo sobre a sua tutela as instalações, os recursos humanos e a alimentação escolar.

Para melhorar a intervenção da Câmara Municipal de Lisboa, o Bloco propõe:

 

I) Mais creches para todos

Em 2009, o município fez um levantamento rigoroso e definiu como objetivo abrir 60 novas creches. Oito anos e duas maiorias absolutas depois foram abertas apenas 12. Hoje, é mais caro ter uma criança numa creche do que na faculdade e a oferta, pública ou do terceiro setor, está longe de responder satisfatoriamente à procura.

Em quatro anos, o Bloco de Esquerda propõe-se criar pelo menos 48 novas creches públicas municipais. Uma cidade que quer fixar novas famílias precisa de uma oferta pública de qualidade.

 

II) Melhor alimentação nas escolas

Em muitos refeitórios das escolas de 1º e 2º ciclos as cozinhas foram desativadas e são empresas de catering  que fornecem as refeições. Pouca comida, de má qualidade e alimentação fornecida em caixas e talheres de plástico são as queixas mais comuns dos pais. É preciso que o município assuma a responsabilidade da qualidade e quantidade da comida nas escolas e que o pequeno-almoço e o lanche também seja fornecido às crianças. Além disso, a política de alimentação deve privilegiar o consumo de produtos locais e, sempre que possível, biológicos.

 

III) Apoiar as famílias nas férias escolares

Durante as férias escolares são muitas as famílias que não têm onde deixar as crianças. É preciso que as instalações das escolas se mantenham em funcionamento nesse período e que exista uma boa oferta de atividades culturais, desportivas e de lazer a preços reduzidos para que as férias escolares não sejam um encargo financeiro adicional para as famílias.

 

IV) Simplificar a vida de pais e mães

Nas escolas os pais são obrigados a pagar a diversos fornecedores na cantina, nas AEC's, nos CAF e cada um tem um método de pagamento diferente e horários diferentes. É preciso simplificar a vida de pais e mães: os encarregados de educação devem pagar os serviços unicamente à Câmara Municipal via internet ou na escola.

Sugestões recebidas:

«Não há oferta de jardins de infância suficientes na cidade de Lisboa. Li que 10% das crianças com 4 anos ficam fora da oferta pública, o que significa uma despesa de mais de 300€ mensais para os pais. Assim ninguém quer ter crianças.»

LM, Lumiar

 

«1. Nos refeitórios, é necessário garantir que existe opção vegetariana e que ela não tem de ser definida no início do ano letivo, para que as e os alunos possam experimentar a opção vegetariana mesmo que a opção que fazem maioritariamente seja omnívora. Para além disso, é importante levar a cabo campanhas de informação sobre as componentes nutricionais dos alimentos, apresentando alternativas à proteína animal.
2. É necessário defender uma democratização das escolas desde os níveis mais elementares: a criação de momentos semanais para a discussão de problemas entre colegas, a decisão partilhada em imensas áreas que impactam a vida de quem estuda, etc.»

SC, Olivais

 

«Proponho uma rede de autocarros escolares que recolham e entreguem as crianças nas escolas. Uma medida deste tipo tem grandes impactos na mobilidade, porque permite aos pais não levarem o carro para entregar as crianças na escola e dá segurança, porque não é um transporte público, mas sim um transporte escolar com monitores da escola que as crianças conhecem. Algumas juntas têm um sistema semelhante, mas é necessário um programa municipal para garantir que é acessível a todas as crianças do município.»

RM, Lumiar